O mercado de trabalho e java

A um tempo tenho recebido alguns emails com dúvidas sobre o mercado de trabalho e java ou mercado de trabalho e software livre. Muitos são de universitários que perguntam sobre qual linguagem aprender, qual é a linguagem do momento ou do futuro. Confesso que essa pergunta já fiz a mim nos meus tempos de universitário (não tão longe assim), e sempre estou pesquisando sobre isso. Um email me chamou a atenção (Thiago Melo de Oliveira),  no email me perguntava qual linguagem (tecnologia) deveria dedicar-se para ter mais oportunidades de trabalho, Java ou C#.

Comecei a programar com Pascal, passando por C e tive pouquíssima noção de C# que tive nas aulas de computação gráfica. A partir do próximo paragrafo conto um pouco da minha estória com programação Java e deixarei os comentários como espaço para quem trabalha ou trabalhou com C# também contarem seus causos.

Sempre tive uma “quedinha” por sofware livre e assim que comecei  faculdade instalei o falecido Kurumim/Linux no meu computador, desde então só tenho usado Gnu/Linux no meu HD (Slackware, Debian e Atualmente Ubuntu) e não me arrependo.

Por esse motivo linguagens proprietárias como C# não me apeteciam. O fato de ter que instalar uma maquina virtual Windows ou emular pelo Wine  só para rodar Visual Studio (VS) já desanimava. Por isso as únicas vezes (fracassadas) que tentei programar C# no Linux foram com Mono Developtment. Tentando novamente instalei o VS maquina virtual, outra vez um desastre total, pra quem vinha de programação estruturada do C e pascal entrar para orientação a objetos era um martírio, porque tantas classes, tantos métodos, tantas variáveis?  Somado a isso a falta de didática do professor e ao fato de C# só funcionar bem no Windows tiravam minhas espectativas de poder trabalhar sem amarras da Microsoft.

Fui atrás de outras alternativas, porém desta vez com foco no mercado de trabalho, olhando as vagas de trabalho e estágio uma coisa me chamou a atenção, o grande numero de vagas na área de PHP e Java (principalmente JSF).

A maioria pedia no minimo 6 meses de experiência, o que eu não tinha (na verdade nem sabia a linguagem ainda, só estava pesquisando) e alguma noção de Banco de dados. Pesquisando ainda mais descobri que as vagas de Java geralmente pagavam mais, e claro também exigiam bem mais. Foi então que (cof cof $$) escolhi meu caminho :).

Como morava em uma cidade (Pinhão) e fazia faculdade em outra (Guarapuava), comecei a procurar estágio na região. Infelizmente na minha área, centro-oeste do Paraná, não existem muitas empresas de tecnologia, e as poucas que tem eram pequenas. Se quisesse  praticamente  teria que pagar para estagiar devido as custos de transporte e alimentação.

No terceiro ano de faculdade, sentindo aquela sensação de “putz merd…! to saindo da universidade sem saber uma linguagem descente”, arregacei as manguinhas e foi atrás do tempo perdido. Comecei a estudar Linux e Java sozinho, em casa, internet discada mesmo, ficava de madrugada baixando tutorial e de dia (quando tinha tempo) estudava.

Sempre fui autodidata, nunca consegui estudar direito na sala de aula, muito barulho, conversa, sentia que em casa o silêncio favorecia muito mais os estudos. Meus primeiros estágios foram com Linux, primeiro como instrutor em um telecentro, depois como administrador de domínio na Universidade onde estudava, e logo depois como analista de sistemas na prefeitura de Guarapuava.

Posso dizer com certeza que o diferencial para ter conseguido meus estágios foi conhecimento em Linux, porque mesmo estudando em Universidade Publica (Unicentro),  alguns colegas de classe tinham aversão a sofware livre, eram poucos os que tinham instalados nos seus PCs e menos ainda os que o tinham como único SO. Quando se falava em emprego e sofware livre era comum escutar aquele comentário inteligente do tipo “Sofware livre o que? Você vai trabalhar de graça e dar de presente seus códigos?” ou ainda “Quem vai usar seus programas feitos com Linux? Se quase 100% usa Windows?”

A eu ficava imaginando e pensando se meus colegas que trabalham com tecnologia a alguns anos estão na faculdade e comem e almoçam computador pensam assim, imagina quem está de fora? Por pouco não fui para o lado “Microsoft da força“, mas decidi que Java Sofware Livre era o meu caminho.

Tinha convicção que a programação era a minha área e queria tentar estagiar mas não conseguia, tentei pensar alguma forma de provar meu conhecimento e foi então que criei meu canal sobre programação no youtube. Com diz aquele ditado “quando a aguá bate na bun.. o sujeito aprende a nadar”. Coloquei no currículo meu canal como trabalho voluntario e fui a luta, hoje posso dizer que minha admissão atual se deve a isso.

Hoje com todas as empresas publicas e privadas tentando diminuir ao máximo as despesas o sofware livre se tornou uma ótima opção  no que diz respeito a segurança e qualidade de sofware. Sem contar que os salários são mais altos devido ainda ao pouco número de profissionais qualificados dessa área. Portanto meu conselho é pesquisar, tente descobrir qual linguagem as empresas da sua região utilizam, ou na área que quer atuar (publica, privada). E focar é claro em um objetivo, pois mesmo em cobol tem inúmeras vagas abertas e o que realmente importa é se o cara sabe mesmo.

Minha dica não poderia ser outra se não Java, uma linguagem robusta mas não antiga, atual e totalmente portável para qualquer sistema (Windows, Mac, Linux) ou plataforma (web, mobile, desktop, Android), sempre com um grande número de usuários e contribuintes que estão sempre disponíveis para esclarecer dúvidas e ajudar os demais.

Que alias é exatamente o principal motivo do sofware livre, codificar aprender e ajudar.

O canal www.youtube.com/kurtphpr atualmente tem 7000 mil usuários, mais de 1.000.000 visualizações totais e uma média de 2.500 visualizações diárias. Isso rende uma média de $100 dólares de lucro mensal pelo adsense (que o google não ouça) só com os anúncios nos vídeos do youtube, pois não coloquei, nem pretendo colocar anúncios nesse blog.

Anúncios

Sobre kurtphpr
Ronaldo Caldas : Formado em Ciência da Computação - UNICENTRO-PR

23 Responses to O mercado de trabalho e java

  1. Buscafreela – Rede social ԛue admite àѕ empresas publicar projetos,a fіm ⅾe localizar freelas para faᴢer trɑbalho.  http://www.colourlovers.com/lover/tristanbage

  2. None says:

    Olá Ronaldo.
    Bom ver comentários de alguém que se formou em ciência da computação na Unicentro, pois no momento estou cursando lá.
    Depois que terminou o curso, você demorou quanto tempo pra encontrar um emprego na área?
    Você acha que o curso valeu a pena?
    Muito obrigado pelo conteúdo do blog, e video aulas, com certeza será de grande ajuda!.

    • kurtphpr says:

      Olá não sei quem é vc (pq não se identificou), mas respondendo suas perguntas:
      Demorou uns 6 meses + ou -, isso porque eu procurei emprego somente em SC.
      Valeu a pena sim, a faculdade da uma visão ampla sobre diversas áreas que você pode seguir, é claro que muitas coisas que os professores dizem que a gente vai usar alguma vez na vida (como derivada, integral) eu por enquanto não usei nem acho que vou usar. O importante é seguir uma área que você curta mais, se gosta de redes procura se especializar nisso, se gosta de programação, procura uma linguagem que mais gosta. Como disse existe emprego sim para profissionais capacitados, independente da área.

  3. Rodinei Riboli says:

    Fala Ronaldo, meu no é Rodinei, não pude deixar de notar seu esforço para sanar muitas duvidas do pessoal, e só gostaria de lhe agradecer e parabenizar pelo esforço e determinação.
    Parabéns mesmo, tenho aprendido aqui no seu blog e seu canal, um abraço e Deus te abençoe sempre…

  4. andre says:

    Estava algum tempo sem saber o que fazer para escolher uma linguagem como foco, sua historia abril de uma só vez meu foco.

    obrigado

    andre

  5. Daniel Stonebuilt says:

    Parabens, Ronaldo.
    Sua história é um bom incentivo para nós. O mercado de T.I tem umas peculariedades, que eu não vejo em outras carreiras: exigir experiência de quem esta começando, ou pedir pré requisitos absurdos…
    Abraço

  6. Boa noite,

    Meu nome é Alexandre, sou de SC, e por acaso,encontrei seu blog e videos no youtube.Sou formado em Sistemas de Informação e estou fazendo pós graduação na area de gestão.

    Primeiramente eu gostaria de agradecer por todos os tutoriais que voce está disponibilizando pra gente e todo esse trabalho que você tem com as video aulas.

    Como disse anteriormente, sou formado mas não trabalho na area, por questões familiares e financeiras, me mantenho em um emprego de gestão e controle de produção(Nada a ver com o que eu quero).

    Este ano consegui uma brecha, e estou voltando aos meus estudos, e escolhi o java como minha linguagem de programação.

    Minha pergunta é, a demanda de profissionais na area de T.I. ainda é grande, mas todos pedem experiencia comprovada de anos.A rotina de trabalho em empresas é dificil? Como funciona ? Fico frustrado quando um programa que tento fazer não dá certo.É assim mesmo dentro das empresas ? Você entrega um programa pronto quando pedem ?

    Como disse, sou formado,mas não trabalho na area, então não tenho experiencia em empresas.

    Agradeço desde já e mais uma vez parabéns pelo blog e videos.

    Abraços.

    • kurtphpr says:

      Olá Alexandre boa tarde,
      respondendo suas perguntas:
      Sim a demanda é grande existem muitas vagas abertas e poucas pessoas qualificadas para ocupa-las.
      É verdade, por um lado concordo que não é possível conseguir emprego sem experiência, porém as empresas também não podem alocar pessoas sem conhecimento pois terão prejuízo, a dica que eu dou (e que aliás aconteceu comigo) é criar um porrifólio, um trabalho anterior relacionado a vaga que você procura. Por exemplo, a vaga é de java, procure fazer um sistema completo para mostrar na hora da entrevista, assim o entrevistador perceberá que você não é tão cru como os outros candidatos. Ou ainda faça um blog sobre o assunto isso mostra que tem iniciativa e gosta de compartilhar conhecimento, isso conta muito para as empresas mostra altruísmo e vontade. Geralmente sim, mas como na programação tudo é variável as vezes uma coisa ou outra demora mais que o previsto para ser finalizado, mas nada que não possa ser contornado.
      Espero ter ajudado e obrigado por prestigiar o blog.
      Abraço

  7. célio says:

    Bem, meu nome é célio, eu tenho uma grande dúvida sobre o mercado profissional em TI.
    Ja faz algum tempo que eu pesquiso sobre a área de TI para tentar ingressar nela.

    Não é de hoje que sempre tive vontade de trabalhar com programação (desenvolvimento e análise de sistemas) porém nunca tive a oportunidade de ver na pratica como é o dia a dia de um profissional que trabalha com programação.

    Não sou NERD etambém não vivo fissurado e computador 24h, so acho bastante interessante essa atividade de desenvolver, programas, aplicativos, etc…Acho que me sentiria útil dentro de uma empresa trabalhando com isso, coisa que nunca conseguir em outros ramos de atividade.

    Ja lí muita coisa a respeito e sempre me deparo com assustadores contos de matemática e física, sem contar em calculos de lógica de grandes quebra cabeças.

    Nunca trabalhei com TI em minha vida, mas tenho vontade de aprender, por questões de oportunidades de mercado e também pelo lado financeiro, o que me aparenta ser bastante promissor e atrativo.
    Sou de Recife e o mercado em TI está super em alta principalmente por SUAPE, não se fala em outra coisa a não ser: falta de mão de obra qualificada, chega a dar pena de ouvir. O governo vai oferecer capacitação gratuita pelo porto digital, para poder atender a grande demanda, mas não quero esperar pra ver….

    Resumindo, o meu maior medo, é ter que enfrentar um curso e perder dinheiro, geralmente os cursos nessa área são muito caros, e acabo tendo receio de me matricular, e não conseguir aprender NADA, ou quase NADA, ja que tenho esse paradigma de que programar foi feito pra quem tem a area de TI em suas veias, e ja nasce com essa capacidade, tenho medo de me frustrar e me sentir incapaz de atuar na área….. Estava pensando em fazer um curso em linguagem de programação e depois em JAVA básico + avançado. Não sei se esse seria um caminho certo a trilhar, ou se seria melhor fazer um curso tecnólogo, ja que abrange mais coisas, você poderia me ajudar com essas questões? e tentar me da uma dica de como atuar nessa área ou até mesmo, me mostrar outras alternativas de TI que não seja tão voltada para calculos estrambólicos, se isso realmente é fato… pois meu forte nunca foi matematica!
    Fico no aguardo, e espero que você possa me ajudar!

    Atc,

    • kurtphpr says:

      Olá Célio boa noite, primeiramente muito obrigado por ler e contribuir com seu comentário, fico muito feliz que de alguma forma isso tenha lhe incentivado ou mesmo contribuindo ainda mais sua curiosidade com relação a essa área.
      Respondendo sua primeira dúvida, o dia de quem trabalha com programação é um jogo de lego, o que você tem que saber é como encaixar bem as peças pra que o robozinho se transforme no objetivo. Esqueça isso de matemática e física, isso a gente só vê mesmo na faculdade (lá sim tem muito disso), nunca usei uma integral ou derivada no trabalho e é muito provável que não usarei. O que acontece quase sempre é pesquisa, pesquisa e pesquisa. Apareceram desafios é claro, mas sempre existira uma API, framework ou uma solução que lhe forneça o que lhe é pedido.
      Posso dar um exemplo bem prático, essa semana foi me dada a ordem de serviço para integrar um sistema com endereços e coordenadas geográficas com o google maps.
      Como não sabia como fazer fui atrás do nosso querido amigo dos programadores, o próprio google. Lá tinha toda a documentação necessária pra fazer a integração com JSF e até incrementa-la adicionando ícones customizados e animações, coisa que não era necessário mas que poderia ser implementado como um “plus” na aplicação. Isso é com certeza uma das coisa mais legais da nossa profissão, criar ou modificar uma aplicação para que ela se torne mais útil, funcional e ver o resultado na prática do dia a dia. É como falei no exemplo do lego, você tem as peças basta saber como encaixa-las.
      Quanto ao seu medo de não aprender, isso vai de você mesmo, não adianta pagar uma ótima faculdade e não prestar atenção ou não ir as aulas. É uma questão de responsabilidade com você mesmo. Capacidade como disse no post é uma coisa que todos temos, alguns com mais ou menos que os outros mas nada que uma boa dose de esforço não resolva.
      Com relação ao mercado de trabalho, desde que eu me entendo por gente se fala que TI é a profissão do futuro, e acredito que é mesmo. Aqui no sul também tem mais vagas que candidatos qualificados, pra você ter ideia eu mesmo sai de um emprego na sexta já estava empregado na outra quarta, sendo que tive que desmarcar mais 2 entrevistas que tinha na mesma semana.
      Agora com cada vez mais crescimento do pais os empregos na área de TI são cada vez mais bem remunerados e é claro mais exigentes, portanto a estratégia é estudar se especializar que não lhe faltará trabalho. E isso vai aumentar ainda mais, segundo a Brasscom (Associação Brasileira das Empresas de Tecnologia da Informação e Comunicação) projeta para este ano um déficit de quase 92 mil profissionais de TI, se for mantido o cenário atual para 2013 estima-se que faltarão cerca de 200 mil profissionais. O país precisa enfrentar o desafio de formar profissionais capacitados, com conhecimento da língua inglesa, para, então, incorporar cerca de 750 mil novos profissionais ao mercado, de forma a alcançar a meta de aumentar em 50% o peso relativo do setor de Tecnologia da Informação no PIB até 2020.
      A sensação de não saber nada é comum a todos os recém-formados não se preocupe com isso, muita coisa (eu falo mais de 70%) você aprende mesmo estudando por fora ou no próprio trabalho, na faculdade você vai ver muita teoria, muita coisa de muitas coisas, e o que geralmente acontece é você se especializar em alguma área ou função( banco, programação, redes) e se dedicar a só isso. Portanto não esquente com isso.
      Voltando ao assunto da matemática, ela é realmente necessária mas muito mais na faculdade que no trabalho. No mundo corporativo você vai precisar muito mais de lógica e intendimento de inglês do que qualquer outra coisa.
      Abraço

  8. magas says:

    Olá meu nome é magas e vivo em angola, a dois anos que estou estudando programação, e tenho tido muitas dificuldades pelo facto de as aulas na faculdade não darem tanto, no ano passado falamos de, java, eclipse, NetBeans e tantos outros não deu para aprender quase nada, e no final reprovei nesta disciplina, e este ano estou cursando uma disciplina que é software Livre e graças a deus esta abrindo caminha para mim que sou um apaixonado nisto. Amigão em que podes me ajudar como principiante apesar de já estar na faculdade.

  9. Cara tua história é muito boa, um dia vira filme…
    Pelo que percebi temos um pensamento parecido, não sou da area de T.I , sou formado em matemática, comecei a programar em Pascal , Pascalzin na universidade e des de lá não parei mais, já dei uma passada pelo Python quando “trabalhava” com o Blender, PHP e agora vou me dedicar mesmo ao Java pelos motivos que você falou e que eu já tinha percebido, vou começar a estudar hoje pelas suas video aulas e pelo que vi, e os comentário que li elas são muito boas, eu nao tenho dinheiro, to desempregado agora, mas quando eu estiver trabalhando pode ter certeza que eu vou ajudar nas suas vaquinhas.

    Muito obrigado em nome de todos que assistem suas aulas e acabam nem agradecendo, mas tenho certeza que ficam muito gratos por sua ajuda.

  10. Vitor Daumling says:

    Olá Ronaldo, muito interessante o artigo, sou universitario de Desenvolvimento de Sistemas, 2° ano, comecei a estagiar tbm, desde o ensino medio em uma empresa de contabilidade na parte de suporte, e com o advento da NFE, o pessoal lá começou a investir em programação JAVA, então fui a luta, comecei a faculdade, queria programar, mas acabaram que não me davam chance, porque era iniciante, ai fui atras de outro estágio, hoje aprendo JAVA na Faculdade e na empresa que estagio desenvolvo em C#, por ser a linguagem que a empresa trabalha mesmo, particularmente, sou muito mais o JAVA do que C#, além de JAVA ser livre é multiplataforma e roda em qualquer S.O., o que falando em mercado, é muito mais vantajoso, sem contar que os U$$ 12.000 do VS Ultimate pesam bastante!

    Acompanho o canal há bastante tempo já!
    me ajudou a ter base na lingugem

  11. Andre Brito says:

    @Fabiano,
    Mande currículo mesmo assim. As vezes tem vagas que exigem 3, 4 anos de J2EE, mas pagam um salário de estagiário. Se você está procurando estágio, mande currículo dizendo que está procurando estágio e com um link de alguma app que você desenvolveu em J2EE. Tenho certeza que se interessarem e não encontrarem alguém pronto pra se prostituir com 4 anos de J2EE nas costas, vão entrar em contato com você.

    @Ronaldo,
    Continue assim. E nem todos não gostavam de SL. Eu gosto 🙂

  12. Jose says:

    Cara, muito bacana.
    Já gostei do seu canal do youtube por ser melhor explicado que um livro que comprei, e acho que a ideia é bem esta: na informática, para se dar bem, temos que ser autodidatas e proativos, construir um portifolio por conta própria já mostra que é interessado, um tremendo diferencial. Se for caprichoso, é emprego certo.

  13. Fabiano says:

    Muito legal sua história, estou aprendendo muito sobre JAVA com seus vídeos.
    Aqui em Curitiba há muitas vagas para programadores J2ee, no entanto o que mata é a experiência exigida.

    Continue com o ótimo trabalho.
    Até mais.

    • kurtphpr says:

      Então Fabiano, eu tinha esse problema como falei no post, mas sempre tem uma forma de mostrar que você conhece algo sem ter expêriencia nele. Uma forma é fazer trabalhos pra você mesmo, por exemplo crie um sistema ou um site e monte um portifólio do que você sabe, assim fica mais fácil pra você conseguir um estágio ou até mesmo trabalho.

  14. Thiago Brasil says:

    Sou iniciante em Java e Gnu/linux e também estou com dúvidas sobre que linguagem focar, se depender da minha formação será java, pois o curso é voltado para está linguagem (Sistemas para Internet – IFPB), mas com o crescimento de Ruby on Rails e a falta de profissionais capacitados, optar por Rails seria uma outra boa escolha? O que você acha?

    • kurtphpr says:

      Olá Thiago boa tarde,
      também tive algumas experiências com rails, realmente é muito legal construir uma sistema com alguns comandos, porém o caso faca alguma aplicacao para ele tera que ter um servidor próprio pra isso, porque ainda são poucos e caros os servidores que tem suporte a essa linguagem. Mas se tiver muitas vagas na sua região para rails vá em frente, aqui no sul não encontrei muitas, se bem que procurei apenas Java. Falando em Java, ele também tem ferramentes que facilitam o trabalho como no rails. Existem o projeto seam do Jboss, até saiu uma matéria sobre ele na última Java magazine, e tem um manual sobre ele no jboss.org bem completo vale a pena dar uma olhada.

Deixe seu comentário, opinião , critica ou dúvida aqui :)

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: